MASIGNCLEAN101

Spotify criticado por pedir acesso a dados pessoais dos utilizadores


Serviço quer acessar a dados biométricos, de localização ou fotografias com o argumento de adaptar as suas funcionalidades às necessidades dos utilizadores.

O serviço de streaming de música Spotify está prestes a deixar enfurecidos alguns dos seus utilizadores depois de ter decidido alterar as suas políticas de privacidade que permite à empresa, depois da aprovação por parte do utilizador, o acesso a informações de contacto, localização, fotografias ou dados biométricos.

Segundo as alterações divulgadas recentemente pelo Spotify, a empresa avança que, com a permissão do utilizador, pode vir a recolher informação armazenada no seu dispositivo móvel, como “contatos, fotos, ou arquivos de media”. “Dependendo do tipo de aparelho que usa para interagir com o serviço e com as suas definições, podemos ainda recolher informação sobre a sua localização com base, por exemplo, no GPS do seu telemóvel ou outras formas de localizar dispositivos móveis”, determinam as novas regras do Spotify.

Aos utilizadores, a empresa deixa a ressalva: “Se não concordar com os termos desta política de privacidade, então, por favor, não use o serviço”.

Ainda no seu blog, o Spotify explica o porquê de pedir o acesso a dados do utilizador, uma decisão que pode ser justificada com serviços oferecidos pela empresa como a funcionalidade Spotify Running. Com esta funcionalidade, o serviço tenta adaptar o ritmo da música ao ritmo do passo de corrida do utilizador. Através da sua app, o Spotify consegue detectar o tempo do passo de corrida e rapidamente sugere uma música que combina com o exercício.

“O Spotify está constantemente a inovar e a fazer evoluir o seu serviço para oferecer a melhor experiência possível aos nossos utilizadores. Isto significa fornecer as recomendações perfeitas para cada momento e ajudá-lo a desfrutar, descobrir e partilhar mais música do que nunca. Os dados acedidos simplesmente ajudam a adaptar experiências melhoradas aos nossos utilizadores e a construir produtos novos e personalizados para o futuro”.

Apesar das explicações do Spotify, o conselho de desativar o serviço caso o utilizador não concorde com as políticas de privacidade já foi seguido por vários utilizadores, incluindo o criador do jogo Minecraft. Markus “Notch” Persson teve mesmo depois, uma troca de tweets com o presidente da empresa, Daniel Ek. “Acabei de cancelar a minha [conta] também”, escreveu Persson na sua conta do Twitter, ao que Ek respondeu “@notch leste o nosso blogue?” “Vamos pedir especificamente autorização para usarmos a câmara ou GPS”.

Persson respondeu, acusando as novas medidas de serem uma invasão de privacidade “assustadora”. Na resposta, EK voltou a sublinhar que será sempre pedida permissão para o acesso aos dados. Persson encerrou a conversa com uma frase do próprio Spotify – “Se não concorda com os termos desta política de privacidade, então, por favor, não use o serviço”.

Actualmente, o Spotify tem 75 milhões de utilizadores activos e 20 milhões de subscritores do serviço em 58 países.
Via: Publico.pt
Compartilhe esse artigo!
Marcus Vinicius
escreve para o Mundo Informal sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Seja livre para expor seu pensamento!

Se preferir, antes, leia nossas regras para comentários...
(Atenção: Comentários "Anônimo" não serão publicados. Escolha "Nome/URL". Obrigado!)
Bom comentário!